8.10.08

Buchholz

.
.
Depois de escrever o post anterior lembrei-me da Buchholz e da sua lenta agonia. Tenho imensa pena que não haja em Lisboa espaço para uma livraria com as suas características: uma livraria sóbria, clássica, sem animação, sem cor, sem cafetaria, sem acessórios, só livros. O atendimento nunca foi famoso, claro, mas era uma livraria com uma atmosfera muito especial e onde me sentia muito bem.
.
Este é aliás um sentimento que tenho cada vez mais e nos mais diversos sítios: cafés, estações de metro, cinemas, lojas, restaurantes, esplanadas, supermercados e agora até táxis. Porque é que tudo tem que ter música alta, plasmas na parede, demasiada cor, demasiada animação, muita publicidade? E não me venham dizer que isto é tudo inevitável, que é o progresso e não há nada a fazer. Por que raio é que o progresso tem de vir sempre acompanhado desta tralha toda?
.
Sobre a Buchholz tem-se escrito muito ultimamente na blogosfera. Destaco os posts de Francisco José Viegas e Eduardo Pitta.

1 comentário:

Anónimo disse...

Hello! I'm newbie in Internet, can you give me some useful links? I know only about Yahoo [url=http://yahoo.com]Yahoo[/url] http://yahoo.com Yahoo