3.5.11

Separar o trigo do joio


O facto a realçar da feira do livro deste ano (organizada pela APEL, que é presidida pelo proprietário da Babel, não esquecer) é a existência de duas feiras: a das leyas e babéis, com os seus bunkers e condomínios fechados cheios de seguranças; e a dos editores a sério, aqueles que não têm “conteúdos” nem “produtos”, mas simplesmente livros, a que se juntam os alfarrabistas, claro. Só a segunda me interessa, mas a primeira tem demasiada música demasiada publicidade, demasiada tralha. Incomoda, queremos passar ao lado e não se consegue. Alguém sugeriu separar as duas e colocá-las em datas distintas. Tem todo o meu apoio.

4 comentários:

Anónimo disse...

acrescento uma coisa.

do ponto de vista do design, o bunker da babel é muit interessante. é? não.

design é um conceito que não se dissocia de adequação, bom funcionamento... e segurança.

ao fazerem aquele pavimento elevado num piso com uma inclinação acentuada, nos espaços entre os blocos para fazerem um "degrau" de saída, têm um troço de inclinação muito, muito elevada.

esses troços são perigosíssimos em seco. imaginem em dias com chuva, como já houve.

quem cair aí, por favor peça uma indemnização: garanto que vai obtê-la.

Jose Flamarion disse...

Caro Amigo/Amig@,

Livros existem para aventurarem-se de mão em mão, enchendo olhos e mentes, traspassando mundos vários, continentes distantes, até mesmo galáxias perdidas deste infinito Universo, sem respeitar nem mesmo as fronteiras do senhor Tempo.

É com base neste espírito que Lisboa acaba de ganhar um novo Alfarrábio on-line. É o www.livrilusao.com, que vende livros usados e novos.

No entanto, não queremos ser apenas um alfarrábio a mais. Para além de comprarmos, vendermos e trocarmos livros, buscamos também interagir com todos que queiram trocar ideias connosco sobre livros, artes em geral e tudo o mais relacionado com Cultura.

Convidamos-te a visitar a nossa página e, se achar interessante, ajudar a divulgá-la, repassando esta mensagem para a sua lista de emails.
Vamos dar continuidade à aventura dos livros!

José Silva,
Livrilusão

csilva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
csilva disse...

Passei pela zona Leya e fugi a sete pés. A Babel passou-me ao lado. Como não gosto de centros comerciais, prefiro o comércio tradicional, refugiei-me nas minhas editoras de eleição, pobrezinhas, mas honradinhas. Peguei nalgunss livros que me tinham enchido o olho ao longo do ano, agarrei-me a(s) livro(s) do dia, trouxe algumas novidades daquelas que, por enquanto, ainda posso dizer que são imprescindíveis. Porque ainda estão ao alcance do meu bolso. Não tarda, por este triste andar,o LIVRO passa ao estatuto de artigo do maior luxo!